Saúde

Saúde oferece testes rápidos no Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Saúde
30/11/2018 09:14:13

Testes de HIV, sífilis e hepatites B e C, com orientações quanto à importância da prevenção, detecção e tratamento a infecções sexualmente transmissíveis, estarão disponíveis neste sábado, 1º de dezembro, ao lado da Usina do Gasômetro (avenida Presidente João Goulart, 551). Motivada pelo Dia Mundial de Luta Contra a Aids, instituído há 30 anos pela assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial de Saúde, a ação ocorre das 11h às 18h, promovida pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

No local, profissionais atenderão no ônibus do projeto Fique Sabendo e na Unidade Móvel de Saúde. Pessoas diagnosticadas reagentes a alguma infecção sexualmente transmissível receberão orientações e acesso a tratamento. Em casos de sífilis, será aplicada a primeira dose de penicilina. Também serão oferecidos exames complementares em casos necessários.

Com relação ao vírus HIV, Porto Alegre oferece tratamento a pessoas diagnosticadas desde 2014, e não apenas em casos de Aids. “O objetivo é diminuir o número de casos da doença e, consequentemente, a mortalidade, mas para isso é necessário também a adesão ao tratamento, reduzindo a carga viral e a transmissibilidade do vírus”, explica a assessora técnica da área de Infecções Sexualmente Transmissíveis e HIV/Aids da SMS, Adriane Friedrich.

Números – Conforme boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, o Estado do Rio Grande do Sul e a capital gaúcha apresentam, há mais de uma década, as maiores taxas de detecção e coeficiente de mortalidade do país. Em 2017, Porto Alegre apresentou taxa de detecção de Aids de 60,8 casos por 100 mil habitantes, valor superior ao dobro da taxa do Rio Grande do Sul e 3,3 vezes maior que a taxa do Brasil. Há dez anos, em 2007, o número era ainda maior: 113,8 casos de Aids por 100 mil habitantes no município. No que concerne à mortalidade, Porto Alegre apresentou quase cinco vezes mais óbitos por Aids do que a média nacional em 2017.

A taxa de detecção vem caindo gradativamente nas três esferas de governo. “Em Porto Alegre, observou-se pela primeira vez que, no ano de 2017, houve maior taxa de detecção de HIV do que de Aids, refletindo o trabalho dos serviços de saúde”, afirma a técnica da Equipe de Doenças Transmissíveis da Vigilância Epidemiológica de Porto Alegre, Fernanda Vaz Dorneles.

Desafios – De acordo com a enfermeira, a diminuição do número de casos pode estar relacionada a ações estratégicas assistenciais e de vigilância e a mudanças culturais, como a ampliação da oferta e descentralização de testagem rápida, possibilitando o diagnóstico precoce e o início do tratamento, evitando assim a evolução dos casos para Aids. “O teste rápido é uma ferramenta importante no controle da epidemia de Aids por proporcionar um diagnóstico precoce, possibilitar o início do tratamento rapidamente e em tempo oportuno e evitar a evolução da doença”, avalia Fernanda.

Outros fatores que podem estar relacionados à redução no número de casos são a diminuição do uso de drogas injetáveis, a prevenção combinada, que consiste no uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção para responder a necessidades específicas de determinados grupos populacionais e determinadas formas de transmissão do HIV. Destaca-se a implantação da profilaxia pré-exposição ao HIV no Serviço de Atenção Especializada do Centro de Saúde Santa Marta, IAPI e Vila dos Comerciários e a criação dos comitês de Mortalidade por Aids e de Transmissão Vertical de HIV e Sífilis.

Saiba mais sobre HIV e Aids – HIV é um vírus que ataca o sistema imunológico, diminuindo as defesas do corpo e causando a Aids. Toda pessoa que tem o HIV pode passar o vírus para as outras pessoas, mas nem toda a pessoa que tem HIV tem Aids. A Aids é a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida e é causada pelo vírus HIV. Como o vírus ataca as células de defesa do corpo, o organismo fica mais vulnerável a diversas doenças, de um simples resfriado a problemas mais graves, como tuberculose ou câncer. Toda a pessoa que tem Aids tem o vírus HIV.

Dados dos projetos Fique Sabendo e Galera Curtição:
Fique Sabendo – Pessoas atendidas: 768 (2016), 2.320 (2017), 3.151 (2018 – 1º e 2º quadrimestre). Número de saídas: 19 (2016), 52 (2017), 26 saídas (2018 - 1º e 2º quadrimestre).
Galera Curtição – Total de alunos de 2012 a 2018: aproximadamente 30,7 mil alunos da rede pública.

Dia Mundial de Luta Contra a Aids
Sábado, 1º de dezembro
Usina do Gasômetro, das 11h às 18h
Testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C, orientações quanto à importância da prevenção, detecção e tratamento a infecções sexualmente transmissíveis

Anuncie no Jornal Via Norte, clique e saiba mais.